Afluente do rio Amazonas atingiu menor caudal de água em 121 anos

0
585

O rio Negro, um dos principais afluentes do rio Amazonas, atingiu o menor caudal de água em 121 anos no Brasil, segundo dados de monitorização hidrológica divulgados pelo Serviço Geológico do Brasil (SGB).

O rio Negro, juntamente com o rio Solimões, é um dos principais afluentes do rio Amazonas, que concentra o maior caudal de água doce do mundo.

Segundo cientistas consultados pela agência Lusa, a queda do volume de água na Amazónia brasileira é provocada pelo baixo volume de chuvas na região nos últimos meses em razão de fenómenos climáticos como o el Niño, o aquecimento das águas no norte do Oceano Atlântico e efeitos cumulativos da desflorestação do bioma.

Em Manaus, capital do estado brasileiro do Amazonas, o SGB apontou que o caudal do rio Negro reduziu 40 centímetros entre os dias 19 e 24 de outubro, e atingiu a cota de 12,89 metros — o menor nível desde 1902.

A seca recorde impacta a vida de pelo menos 620 mil pessoas, segundo dados divulgados pela Defesa Civil. O problema também atrapalha o escoamento de produtos de Manaus, que tem um importante polo industrial.

No Amazonas e outros estados da região norte do Brasil, a estiagem já isolou comunidades e impediu a navegação, principal meio de transporte de algumas populações e de bens de consumo, além de causar a morte de animais e plantas.

Noutros rios importantes da região amazónica, como o rio Amazonas, o rio Solimões e o rio Acre, o volume de água está abaixo da média nas últimas semanas.

Segundo dados do SGB em Manacapuru, município do estado brasileiro do Amazonas, o rio Solimões registou um novo mínimo histórico de 3,25 metros.

Cotas mínimas históricas também foram medidas em estações do rio Amazonas. Na cidade de Itacoatiara, também no estado do Amazonas, o nível do rio desceu 36 centímetros e alcançou a marca mínima histórica de 54 centímetros.

O rio Acre – principal fonte de água do estado brasileiro de Roraima – tem perdido volume de água de maneira acentuada e está com o nível abaixo da média prevista para outubro.

No início do mês, a Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico do Brasil decretou situação crítica de escassez de água no rio Madeira, que atingiu o menor volume de água em 56 anos, principalmente na cidade de Porto Velho, capital do estado de Rondônia, por causa da seca.

A baixa das águas do Rio Madeira provocou a suspensão das atividades da hidroelétrica de Santo Antônio, com capacidade instalada de 3 568 Megawatt, durante quinze dias no início de outubro.

Foto: Encontro das Águas, Manaus, Brasil_Portal da Copa