Aprovado concurso para dragagem do portinho de Vila Praia de Âncora

Investimento de 1.8 milhões de euros prevê reabilitação da Duna dos Caldeirões com areia retirada no Portinho
0
186

A Câmara Municipal de Caminha confirma a aprovação, pelo Conselho de Administração da Polis Litoral Norte, do lançamento de concurso de empreitada para alimentação artificial, proteção e reabilitação do sistema costeiro natural da Dunas dos Caldeirões que irá permitir a dragagem simultânea do Portinho de Vila Praia de Âncora.  Esta intervenção, em preparação desde meados de 2017, incidirá sobre uma extensão de cerca de 750 metros daquele cordão dunar, a partir da dragagem de areias que se encontram em excesso no portinho de Vila Praia de Âncora, com vista à sua reconstituição/reforço, através da implantação de núcleos resistentes com recurso a geocilindros cheios de areia, complementadas com intervenções de bioengenharia na consolidação e estabilização das margens do rio Âncora e de recuperação e valorização ambiental.

Para Miguel Alves, Presidente da Câmara Municipal de Caminha e vogal do Conselho de Administração da Polis Litoral Norte, “esta intervenção tem dupla vantagem porque reforça o cordão dunar dos Caldeirões e permite a dragagem da zona do Portinho que está completamente assoreada. Ao longo dos últimos 2 anos estivemos a trabalhar para encontrar as soluções técnicas e financeiras que permitissem que o concurso pudesse avançar. Esta é, por isso, uma boa notícia para todos. Só não é uma excelente notícia porque, infelizmente, a dragagem do Portinho só vai resolver temporariamente o problema que se vem agravando desde as obras inauguradas em 2013. Este é um bom exemplo de um mau exemplo de gestão de recursos públicos: construiu-se um novo Portinho sem ouvir os pescadores, inaugurou-se uma estrutura à pressa em 2013 antes de eleições autárquicas e agora temos todos de pagar sucessivas dragagens para mitigar o problema”.

Esta intervenção, com um investimento global estimado em 1.8M€, será cofinanciada pelo POSEUR – Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos, em 75%. Os restantes 25% serão suportados pela DGRM – Direção Geral dos Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos e pelo Estado Português, através de protocolo celebrado com a Polis Litoral Norte.