EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA CONTEMPORÂNEA

0
274

A Escola para este século XXI, tal como o professor que a vier a integrar, devem conhecer as diversas culturas, pelo menos aquelas que transportam os alunos que a frequentam, tornando-se fundamental entender os seus valores, os modelos de socialização, estilos de aprendizagem e suas interrelações, a língua, os problemas económicos, sociais, políticos e religiosos.

A educação, através da Escola, deve reforçar algumas qualidades sem as quais não sobreviverá no mundo contemporâneo. Valorizar a autonomia pessoal, a busca do verdadeiro conhecimento (até onde for possível chegar à verdade), a solidariedade, a humildade, a gratidão, a generosidade, a lealdade, e a coragem. Como formar este professor, é uma tarefa que se impõe aos governos, mas também aos próprios, e que passa por um novo conceito: formação ao longo da vida, com a vida e para a vida; formação contínua.

Assiste-se, atualmente, a conflitos regionais, que nos impressionam e intimidam, e por isso, a formação deste “Cidadão Universal” constitui um indeclinável imperativo, que aos governantes de todo o mundo se exige que ponham em prática, porque o currículo para a Cidadania pressupõe toda uma dimensão económica, social, política, religiosa e cultural, que cruza diferentes objetivos e áreas de conteúdos, assinalada com idêntica ênfase pelo pensamento moderno e pós-moderno.

Por outro lado, cabe ao estudante, como principal agente da elaboração do seu próprio projeto de vida, ter a honestidade intelectual de se auto-avaliar nas suas capacidades, nos seus legítimos e íntimos desejos, nas suas mais profundas aspirações. É certo que neste processo de construção de um projeto de vida, os jovens necessitam dos apoios indispensáveis da família, dos professores e serviços especializados.

Neste mundo da pós-modernidade, existe um campo infinito de conceitos, temáticas e assuntos, nas mais diversificadas áreas do conhecimento e da técnica, que podem e devem ser trabalhados de uma forma mais intensa e, justamente, adequada a esta sociedade contemporânea, tão exigente e, por vezes, tão intolerante.

Nesta perspectiva, um dos conceitos que mais pode influenciar no bem-estar geral da sociedade, o que melhor significado dá ao sentido da vida humana, naquilo que ela comporta do ser e do agir, em conformidade com os grandes princípios e valores ético-morais, é o conceito da Cidadania que, não é igual em todo o mundo, porque ao longo da História e das culturas, tem merecido diversas abordagens e interpretações: «A cidadania activa através da participação popular é considerado um princípio democrático, é a realização concreta da soberania popular, é muito mais que uma actividade eleitoral que se esgota apenas na escolha do voto, a cidadania activa a que me refiro supõe a participação da população de forma livre, soberana, visando uma transformação, consciente e comprometida com a sociedade.» (BARÃO, 1998:38).

Com efeito, ouve-se, e invoca-se, diariamente, esta palavra mágica, porém, os comportamentos que ela postula não têm sido compatíveis com a dignidade do conceito, e por muito que o mundo se desenvolva, em termos científicos e tecnológicos, as inovações sejam, cada vez mais, ao ponto de se tornarem realidades, a maior parte, desejos utópicos do homem, nada mais será importante se ele, o homem, não conseguir acompanhar toda esta panóplia de determinismos, (naturais e/ou por si impostos) com rigor, educação, respeito pelo outro, cumpridor dos seus deveres e responsabilidades.

Considera-se essencial para a sociedade, aprofundar, o mais possível, toda uma estratégia e metodologias adequadas, em ordem à valorização da educação para a cidadania, tendo esta como objetivo a preparação da criança, do jovem e do adulto, para a participação responsável dos cidadãos na vida pública do país, através de processos de representação política, e do empenhamento das Instituições da sociedade civil, tendo como base os princípios e valores fundamentais da Democracia. Como é óbvio, esta participação implica um conjunto de conhecimentos, competências, capacidades e atitudes, voltadas para a intervenção ativa, e que também cabe à escola transmitir aos cidadãos.

 A educação, por meio dos seus currículos e procedimentos da vida escolar, tem um papel de grande importância e responsabilidade no desenvolvimento das competências cívicas dos indivíduos, o que é decisivo para o Estado de Direito Democrático.

Justifica-se, mais uma vez, a necessidade de os professores se empenharem apenas em atividades docentes, curriculares e extracurriculares, porque a educação para a cidadania democrática é, sem dúvida, fundamental neste novo mundo: repleto de desafios, de interrogações, de incertezas e de complexidade.

A cidadania abrange uma série de questões essenciais para a vida em sociedade, nomeadamente: o pluralismo político-ideológico, a diversidade cultural, a resolução de problemas e conflitos de forma pacífica; a cultura de um espírito de tolerância, de equilíbrio entre a mudança e a tradição.

A educação para a cidadania revela-se, portanto, de uma importância extrema e exige-se que lhe seja dada uma atenção especial, de imediato à interiorização e praxis de comportamentos assentes na afetividade, a par com os paradigmas racionais porque, atualmente, a dimensão cognitiva ou o saber teórico não são suficientes. Na verdade, as vivências pessoais, emocionais, afetivas e cívicas são, igualmente, muito importantes.

O Professor-formador-educador experiente, sabe que: o currículo para a cidadania pressupõe uma abrangência social e política; que visa preparar os jovens para o confronto com uma sociedade aberta, pluri-étnico-intercultural, porque não se pode ignorar que as mudanças envolvem e afetam, profundamente, os domínios social, cívico, cultural, político e até religioso.

É neste contexto educativo, que se revela fundamental as denominadas atividades extracurriculares, que o professor do século XXI, certamente, se empenhará, se lhe forem dadas as condições para desenvolver currículos e conteúdos de âmbito informal porque, concordando-se, ou não: «As actividades extracurriculares constituem uma óptima oportunidade para a escola e os professores demonstrarem cuidado. A atmosfera informal que normalmente caracteriza estes momentos dá aos estudantes e professores a possibilidade de interagir fora do esquema hierárquico que costuma caracterizar a relação professor-aluno. Também o facto de estarem ambos, professor e aluno, empenhados em tarefas com um objectivo comum (como, por exemplo, a produção de um jornal escolar) tende a aproximá-los de uma forma que as actividades da sala de aula raramente proporcionam.» (HARGREAVES, et. al. 2001:87).

Deve ser cada vez mais significativa a preocupação com a preparação dos docentes, não apenas na perspectiva académica, materializada na obtenção de um determinado grau, mesmo que seja na área da educação, na medida em que, tal distinção não constitui requisito suficiente para se considerar um professor, um profissional.

A formação contínua é fundamental, porém, depende da dedicação de cada um na sua própria profissão e, antes de tudo, mais importante que formar é formar-se, até porque todo o conhecimento é, também, auto-conhecimento, e que toda a formação deverá ser auto-formação, ao longo da vida, no ativo e/ou na reforma.

Surge, então, a necessidade de um novo interveniente no processo educativo-formativo: o professor-formador. A terminologia pode parecer pouco usual, e nem sempre a separação do professor e do formador é assim tão nítida, porque o termo “formador” continua a merecer uma conotação que não se distancia, ainda hoje, dos sistemas de formação tradicionais, porém, com o avanço tecnológico, designadamente nos espaços de produção, desenvolveram-se novas necessidades que alteram, significativamente, a prática de formação e o papel do formador-educador o qual não é, nem pode sê-lo, no futuro, rotineiro e repetitivo transmissor de conhecimentos, de conteúdos normativos, previamente selecionados e posteriormente avaliados, a partir da repetição dos conhecimentos memorizados, embora nem sempre bem compreendidos e, eventualmente, sem aplicação prática.

Muito mais profundamente: «É preciso que o educador assuma a sua responsabilidade política, com competência técnico-científica, no contexto de uma pedagogia voltada para a formação da cidadela ampliada, rompendo a mistificação da ideologia da cidadania, em consonância com a praxis revolucionária da luta de classes, na conquista de uma sociedade justa e igualitária.» (DEBREY 1999:650).

O formador tem de se metamorfosear num orientador, num conselheiro, num organizador de aprendizagens, num colaborador e programador de saberes, em contextos de formação, também eles possibilitadores de transformação.

Poder-se-á aceitar que as denominações de professor (no sentido de investigador, teorizador, divulgador e construtor de novos conhecimentos) e formador (na perspectiva totalizante, de educar, preparar e formar, integralmente, o indivíduo para a vida) serão suscetíveis de um processo eclético, que conduza a uma nova terminologia, a partir da construção deste novo interveniente.

Trata-se do Professor-Formador, que urge reconhecer, porque, o tradicional professor, desenvolve: «uma profissão que hoje em dia se considera de risco e/ou está em risco, caso os professores continuem a afirmar-se como transmissores de conhecimentos memorizáveis ou como burocratas incapazes de tomar iniciativas pedagógicas reflectidas, singulares e baseadas em valores humanistas e democráticos.» (ROCHA, 2005:2). 

Bibliografia

BARÃO, G. V. (1998). Educação e Cidadania: a Formação do Cidadão Activo. Campinas: Pontifícia Universidade Católica de Campinas – Faculdade de Educação, (Monografia para título de licenciamento em Pedagogia).

DEBREY, J. C. A. (1999). “Cidadania e Educação”, in: Fragmentos de Cultura. Goiânia – Brasil: Instituto de Filosofia e Teologia de Goiás – Sociedade Goiana de Cultura, Vol. 9, (3), pp. 473-762

HARGREAVES, A.; EARL, L.; RYAN, J. (2001). Educação para a Mudança. Reinventar a escola para os jovens adolescentes. Tradução, Inês Simões. Porto: Porto Editora

ROCHA, A. F. S. (2005). Abandono Escolar: Respostas Educativas. (Curso de Pós-Graduação em Administração Escolar). Vila Nova de Gaia: ISPGaya – Instituto Superior Politécnico Gaya. (Não publicado)

Com o protesto da minha perene GRATIDÃO
Diamantino Lourenço Rodrigues de Bártolo