Obra de construção do novo Mercado Municipal de Caminha arranca formalmente

0
580

Arrancam formalmente as obras de construção do novo Mercado Municipal de Caminha, um equipamento esperado há quatro décadas, em plena zona ribeirinha do Rio Minho.
O investimento é de cerca de 600 mil euros e o prazo de execução de 365 dias.

Na passada semana começou também a funcionar o Mercado provisório, na mesma zona, mas em contentores devidamente equipados e adquiridos pelo Município, onde os produtos frescos podem continuar a ser comercializados com total segurança.

Durante o dia de hoje será retirado o fibrocimento existente na velha estrutura, seguindo-se a demolição do edifício e a construção de raiz do novo Mercado Municipal de Caminha. Este Mercado era “provisório” há décadas e encontrava-se desactualizado e degradado. Uma série de contingências, sobretudo legais, tornou o processo complexo e a Câmara teve também de encontrar, além do financiamento, uma solução para acolher os vendedores e manter o comércio de frescos e outros.

“Finalmente vamos avançar para as obras do novo Mercado de Caminha. Desde miúdo que ouço falar da necessidade de termos um Mercado moderno, um espaço bonito e atual e, por fim, estamos a arrancar com as obras que vão tornar o sonho realidade. Foram seis anos de trabalho para chegarmos até aqui: tivemos que superar a dificuldade do direito de superfície dos terrenos pertencer à PPP das piscinas de Vila Praia de Âncora, depois tivemos que encontrar um projeto compatível com os nossos recursos, foi difícil encontrar financiamento, tivemos que enfrentar uma brutal burocracia mas já ninguém tira a Caminha o novo Mercado”, explica o Presidente da Câmara, Miguel Alves.

O acolhimento dos comerciantes do Mercado foi outro desafio superado, como sublinha Miguel Alves: “quisemos proteger as pessoas que já trabalham no Mercado encontrando soluções para que não tivessem que fazer venda ambulante ou num espaço escondido da vila. Comprámos contentores com todas as condições, colocámo-los junto ao espaço da feira semanal e não cobramos nenhuma renda às pessoas. Certamente que haverá ajustes a fazer, pequenos pormenores que podem ser melhorados, mas quem esteve anos num Mercado tão precário e com todos os problemas, vai saber estar mais uns meses no Mercado Provisório à espera que a casa nova esteja pronta. Todos estão a dar o seu melhor!”

Na mesma linha, o vereador das Obras Públicas, Rui Lages, destaca também os vários desafios que foi necessário ultrapassar para chegar até à concretização da obra: “a construção do novo Mercado Municipal de Caminha trouxe consigo novos desafios. Era fundamental que pudéssemos, ao mesmo tempo em que construíamos o novo Mercado, criar as condições necessárias para que os nossos comerciantes pudessem exercer a sua atividade num espaço digno e que acolhesse as necessidades de cada um. A solução encontrada para o Mercado temporário, com todas as condições sanitárias exigidas, permite que a venda do nosso pescado, dos nossos hortícolas e restauração possam ser feitas de forma segura. Mas, na verdade, o que todos pretendemos é poder usufruir do novo Mercado, com novas dinâmicas. Um Mercado integrado na vivência da comunidade, um Mercado projetado para o futuro”.

A obra tem financiamento comunitário, através do NORTE 2020 e dos Planos de Ação de Regeneração Urbana – PARU, no âmbito de uma candidatura apresentada com sucesso pelo Município de Caminha.

Além do valor intrínseco do equipamento, enquanto espaço comercial por excelência, o novo Mercado Municipal vai melhorar uma importante entrada da Vila de Caminha, pela zona ribeirinha, ela também a ser requalificada, numa intervenção iniciada este ano, num investimento de meio milhão de euros.