Paredes de Coura – Linha médica gratuita para todos os courenses

253 144 420 | Opção 3 para quem não tem computador ou smartphone
0
168

O Município acaba de facultar uma linha médica exclusiva para todos os courenses. O objetivo é que todos tenham acesso ao P5, plataforma de medicina digital constituída por médicos e enfermeiros das mais diversas especialidades, no âmbito de uma parceria entre a Câmara de Paredes de Coura e a Escola de Medicina da Universidade do Minho.
Desta forma, os courenses que não tenham acesso a computadores ou smartphones têm agora a possibilidade de serem atendidos à distância de um simples telefonema. Basta, para isso, marcar o 253 144 420 – opção 3, exclusiva para Paredes de Coura.

O presidente da Câmara de Paredes de Coura, Vítor Paulo Pereira, sublinha que, “num contexto de ansiedade, e com o receio de muitas pessoas se dirigirem aos centros de saúde, esta linha poderá ser um primeiro auxílio para as pessoas que estão preocupadas com o COVID-19 ou outra doença que precise de acompanhamento.”
Esta plataforma digital P5, até agora apenas disponível em www.p5.pt/registo-paredes-de-coura, está também acessível através do número de telefone 253 144 420 – opção 3 (exclusiva para Paredes de Coura), permite o esclarecimento de dúvidas de saúde ao nível da prevenção, orientação e pode inclusive servir de pré triagem à infeção por COVID-19, antes do recurso à linha oficial do SNS24 (808 24 24 24), evitando a sobrecarga dos serviços.

Trata-se de um projeto de medicina digital único ao nível da União Europeia. “A assistência médica digital será o futuro. É regulada, segura, eficiente, cómoda para as pessoas e retira pressão sobre os serviços médicos, um dos problemas que todos enfrentamos na atualidade. Esta ajuda médica é um privilégio que muitos gostariam de ter. Por isso, espero que os courenses a valorizem”, salienta o autarca.

“É fundamental que cada um de nós mantenha um comportamento responsável. Todos temos medo, é natural e até desejável, mas precisamos de confiar no trabalho dos profissionais de saúde e em todos os que desempenham, neste momento, funções essenciais para servir a comunidade. Estamos todos no terreno e a trabalhar incansavelmente para minimizar o impacto desta pandemia”, reforçou Vítor Paulo Pereira, enfatizando que “cada um terá de fazer o seu trabalho, proteger-se, proteger a comunidade e ficar em casa”.

Até ao momento, o Município tem concentrado todos os esforços em dar apoio, em termos logísticos e de material, ao Centro de Saúde, à GNR, aos Bombeiros e às IPSS (lares de idosos e apoio domiciliário): “em articulação com a ULSAM, já preparou estruturas de apoio aos cuidados de saúde, devidamente equipadas, que garantam até 100 camas para retaguarda das IPPS e Lares ou o isolamento de pessoas que não tenham condições em suas casas. Faremos todo o possível para que tudo corra bem, mas o contributo que faz a diferença é o seu: por favor, fique em casa, pela sua vida e pela vida dos outros”, concluiu.

A par deste apoio, focado inicialmente nos que precisam de condições para trabalhar no terreno, é importante chegar até todos os que se encontram em situações de fragilidade, através de ajuda alimentar e medicamentos e, numa fase posterior, criar um pacote de medidas sociais de apoio que ajude os desempregados, os pequenos comerciantes que tiveram a coragem de fechar os seus negócios neste momento, como exemplo de quem defende a saúde pública acima do interesse económico, os idosos sem retaguarda familiar e todos os que possam estar mais desprotegidos.