“PIROGA MONÓXILA” CLASSIFICADA COMO TESOURO NACIONAL A CAMINHO DO MUSEU MUNICIPAL

Câmara faz contrato com o Património Cultural IP para de cedência de bens culturais móveis
0
171

Uma “Piroga Monóxila” cuja cronologia aponta para o período entre a segunda metade do séc. X e a primeira metade do séc. XI, classificada como Tesouro Nacional, vai ser exposta, em data ainda a definir, no Museu Municipal de Caminha. Para que isso fosse possível, a Câmara aprovou um contrato com o Património Cultural, Instituto Público, que prevê a cedência temporária de bens culturais móveis, neste caso a “Piroga Monóxila”. 

A Piroga em causa foi classificada, conjuntamente com mais cinco pirogas, como de interesse nacional, com a designação de “Tesouro Nacional”. Para poder ser exposta em Caminha foram estabelecidos vários requisitos, designadamente quanto à sala de exposição e medidas de segurança. Há condições ambientais, de humidade relativa, temperatura e iluminação, assim como a ausência de vibração e de poluentes atmosféricos que terão de ser cumpridos.

Trata-se, de facto, do regresso do exemplar, após várias peripécias e um longo processo. Conforme se explica na proposta de contrato, aprovada em reunião do Executivo, a piroga n. 1 do Rio Lima foi exumada do leito do rio a 2 de março de 1985 e transportada para Viana do Castelo, ficando guardada num armazém pertencente à capitania local, onde passou despercebida. Foi então que o interesse e esforço de Raúl de Sousa, à época funcionário da Câmara Municipal de Caminha e pertencente ao grupo organizador do Museu Municipal de Caminha (MMC), tomou conhecimento da mesma, adquiriu-a, e providenciou a sua transferência para o local do futuro Museu Municipal de Caminha.

Conta o responsável atual pelo Museu, Sérgio Cadilha, que devido às deficientes condições preventivas do depósito, a piroga foi transferida, inicialmente para o Museu Monográfico de Conímbriga, e depois para as instalações do Centro Nacional de Arqueologia Náutica e Subaquática, em Lisboa, onde iniciou o processo de consolidação com vista à secagem e estabilização em ambiente seco. O tratamento da Lima 1 foi terminado no laboratório do Museu Nacional de Arqueologia Subaquática (ARQUA), em Cartagena, Espanha.

O Município de Caminha acabou por lhe perder o rasto e, durante muito tempo, pensou-se que a mesma nunca mais viria para Caminha. Entretanto foi classificada, como referimos, como “Tesouro Nacional” e paralelamente, a Câmara desenvolveu vários esforços para que a peça pudesse regressar a Caminha, o que agora, através do contrato, se torna possível.