Vencer a Crise com a Fé no Progresso

Diamantino Bártolo
0
157

Quando, cuidadosamente, estudamos a História da Humanidade, obviamente, à escala global, possivelmente, não haverá um período, um continente, um país, uma organização ou até uma pessoa, que não tenha experienciado algum tipo de crise: na saúde, no trabalho, na economia, nos valores, nos sentimentos, nas relações interpessoais. O mundo sempre viveu, lutou e venceu inúmeras crises. O Ser Humano, dotado de extraordinárias capacidades: científicas, técnicas, intelectuais, manuais, entre outras, tem estado na linha da frente para as vencer.

As crises: umas mais acentuadas; outras mais superficiais, podem converter-se em grandes e únicas oportunidades de mudança, desejavelmente, para melhor, embora não se ignore que algumas são dilacerantes, precisamente, quando impõem sacrifícios excessivos, praticamente, insuportáveis: seja à sociedade no seu todo; seja às organizações; seja às pessoas, individualmente consideradas.

E se há crises pandémicas, financeiras, económicas, empresariais, políticas, religiosas, axiológicas e tantas outras, seguramente que algumas delas interferem, diretamente, ou contaminam, pela negativa, os sistemas culturais, afetando: princípios, valores humanos, deveres e direitos inalienáveis, que se refletem, posteriormente, nas gerações vindouras, com as consequências mais imprevisíveis, eventualmente, nefastas e irreversíveis.

Atualmente, primeiro quarto do século XXI, vivem-se, entre outras crises, duas que são, certamente, muito complexas: em que valores ancestrais, que suportam a convivência harmoniosa e tranquila da sociedade, e da dignidade da pessoa humana, estão a ser alterados, desconhecendo-se, por enquanto, se para melhor ou para pior, desejando-se, contudo, que estes supostos novos valores, se dirijam para o bem-comum da humanidade; a outra, pandémica, que vem destruindo pessoas, empresas, sistemas económicos e financeiros, a partir de fevereiro de 2020.

Entretanto: «Para se compreender a amplidão e a natureza da crise do tempo atual, é preciso levar em conta que entraram em crise o mundo moderno e a cultura que o sustentava e animava. É, portanto, a crise de um mundo, das suas raízes culturais e das instituições que estas inspiraram. É uma crise que atinge a época moderna inteira, e não este ou aquele aspeto desta.» (DENNY, 2003:61).

A capacidade humana, tem condições para acreditar ser capaz de vencer a maior parte das crises, excluindo-se, aqui, algumas de origem natural, que o Ser Humano não consegue evitar, mesmo que as preveja, com alguma, por vezes, certamente, pouca, antecedência, sendo garantido que, posteriormente, desenvolve os estudos e as técnicas para minimizar os efeitos, por vezes catastróficos, porém, e ainda assim, nem todos, nomeadamente, quando existem vítimas mortais.

Uma parte significativa das crises, acabam por ser solucionadas, graças à ciência e à técnica, porque: «A fé no progresso indefinido está ligada à fé na ciência. É esta segunda idéia-força do mundo moderno, do qual o cientista é considerado o profeta: a sua palavra é escutada com reverência e fidúcia, porque emana da ciência a única fonte da verdade e, sobretudo, emana a força capaz de dominar a natureza e de colocá-la a serviço do homem. Também esta fé na ciência remonta ao iluminismo, mas cresce nos séculos XIX e XX, depois das grandes descobertas científicas que revolucionaram a vida do homem sobre a terra, prometendo torná-la mais agradável e mais humana.» (Ibid.:64).

É sabido que determinadas situações, da vida humana, se podem considerar crises, desde logo no domínio da saúde, porque algumas doenças fazem com que as suas vítimas entrem e permaneçam em crise, em alguns casos até à morte, porquanto: nem a ciência; nem a técnica, conseguiram qualquer solução para erradicar certos males, todavia, não se deve perder a fé nos progressos científico e tecnológico, na medida em que, também neste setor, já foram debeladas muitas doenças que, inicialmente, eram consideradas incuráveis.

As crises são, portanto, os motores, as motivações que fazem avançar o progresso, por isso não se justifica a perda de esperança nos cientistas, bem pelo contrário, assim como as razões para estarmos otimistas, porque: «A fé no progresso vê-se ofuscada depois das duas grandes guerras mundiais do século XX, e é criticada duramente por parte de pensadores de diversas origens culturais (Spengler, Burckhardt, Meimecke, Lowith, Toynbee). Apesar disto, na mentalidade corrente, esta sempre vive a convicção de que o progresso científico levará a humanidade à libertação de todos os males e a uma era de maior felicidade.» (Ibid.).

Consolidar a fé no progresso, no que respeita, por exemplo, a melhorar as condições da alimentação em todo o mundo, a fim de reduzir a fome e a subnutrição, é um motivo de grande esperança para a humanidade, na medida em que são milhões de pessoas a tentarem sobreviver, até à exaustão, nesta crise terrível, mas que se acredita, mais cedo ou mais tarde, será solucionada.

Hoje: «Na realidade, em razão da ciência, a humanidade ou, mais precisamente, uma parte desta, representada pelo mundo ocidental, consegue libertar-se de uma condição de pura subsistência e de miséria generalizada, para entrar em uma era de abundância e de bem-estar. Consegue vencer um grande número de doenças mortais e estender, a todos, os benefícios da escola e da cultura. Assim, a fidúcia no progresso científico como causador de bem-estar tornou-se, no correr dos séculos, mais e mais absoluta.» (Ibid.:64-65).

Refletir sobre as crises, é uma tarefa simultaneamente interessante e preocupante: interessante, porque “aguça” a inteligência e a sensibilidade humana para a investigação e a descoberta de soluções possíveis, no sentido de resolver, e/ou pelo menos, minimizar as sequelas dessas crises; preocupante, porque, por vezes, as consequências são tão profundas, duradouras e, eventualmente, irreparáveis, que levam ao desespero, e a desacreditar nas possibilidades que o progresso científico e a tecnologia podem proporcionar.

É evidente que não nos podemos deixar abater por incertezas infundamentadas, nem por receios de que tudo estará perdido, face a crises mais acentuadas, nas suas causas e desfechos, num espaço e num tempo definidos. O mundo atual, a sociedade em geral: devem, têm de estar preparados para vencer, porque a condição humana tem, praticamente, todas as condições para continuar a sua senda de desenvolvimento e progresso.

Vivem-se tempos diferentes, com princípios, valores, sentimentos, oportunidades e hábitos que, sendo, possivelmente, distintos, também proporcionam boas razões para estarmos otimistas: «Assim, o mundo moderno é todo dominado por um grande projeto humanístico, que é a realização sobre a terra de uma vida digna, ou seja, um modelo de vida do qual sejam eliminados, na medida mais ampla possível, o sofrimento, a opressão, as discriminações e o medo. Mundo em que o homem possa ser livre e digno na posse dos bens, no exercício dos direitos civis, na paz.» (Ibid.:68).

Existem mais razões para estarmos confiantes e termos fé no progresso, do que martirizarmo-nos com um pessimismo que não se justifica plenamente. Os “tempos atuais” são de grande esperança no futuro, porque afinal são mais os aspetos positivos que se tem conseguido, do que os negativos, obviamente, com profundo respeito, e solidariedade, para e com todas as pessoas que ainda sofrem os problemas resultantes das vicissitudes da vida, dos projetos de violência concebidos e levados à prática por grupos radicais, e/ou dirigentes, cientistas, técnicos, políticos, religiosos e diversas organizações fundamentalistas.

Importará, agora, destacar que: «Na parte positiva, devem ser colocados os seus extraordinários melhoramentos – cultura, saúde e teor de vida. Além disso, foram debelados flagelos como a mortalidade infantil, as carestias, a peste, que, junto com a guerra, constituíam o pesadelo das gerações precedentes. A duração média de vida aumentou de maneira inimaginável com relação ao passado. Tornaram-se enormemente mais fáceis e seguras as viagens e os transportes. As relações comerciais foram incrementadas. As comunicações entre os homens cresceram enormemente. Com a diminuição das distâncias, operada pelos meios de comunicação, o mundo se tornou uma aldeia global.» (Ibid.:69).

É num espaço, aparentemente, cada vez mais pequeno que o Ser Humano se movimenta e, apesar dos seus imensos recursos pessoais, bem como os que a natureza coloca ao seu dispor, para melhor conforto e mais abundância, a incerteza quanto ao seu futuro continua a ser, quem sabe, a sua maior crise, porque se: fisicamente, tudo indica que está esclarecido; no domínio metafísico, no que concerne à sua espiritualidade, a angústia permanece inexoravelmente.

O destino da pessoa humana, na sua dimensão espiritual, principalmente para quem acredita que ela existe, é, portanto, uma outra crise que, provavelmente, não será resolvida pelos cientistas, nem pelos técnicos, de resto, pensa-se que grande parte destes (cientistas, investigadores das várias áreas da humanidade e técnicos), desvaloriza esta componente da pessoa, ainda que se afigure que é a vertente espiritual que nos distingue, com a mais elevada dignidade, dos restantes seres que habitam esta pequena “aldeia global”.

Bibliografia.

DENNY, Ercílio A., (2003). Fragmentos de um Discurso sobre a Liberdade e Responsabilidade. Campinas, SP: Edicamp

Venade/Caminha – Portugal, 2020

Com o protesto da minha perene GRATIDÃODiamantino Lourenço Rodrigues de Bártolo