Viana do Castelo assinalou 170 anos do nascimento de Guerra Junqueiro com apresentação de duas edições

0
36

Para assinalar os 170 anos do nascimento de Guerra Junqueiro, a Câmara Municipal de Viana do Castelo apresentou dois livros, numa cerimónia que aconteceu na sede do Instituto Politécnico de Viana do Castelo (IPVC), local onde o escritor residiu durante alguns anos.

A homenagem, uma das várias que a autarquia tem vindo a fazer para marcar as datas mais importantes dos nomes da cultura vianense ou com ligação direta a Viana do Castelo, integrou a apresentação da publicação “Lágrima”, que terá sido escrita por Guerra Junqueiro durante a sua permanência na cidade. Editada pela Opera Omnia, em parceria com a Câmara Municipal, a edição destina-se a dar a conhecer o autor a um público mais jovem e conta com ilustrações adaptadas aos mais novos.

Paralelamente, foi editado um opusculo sob o título “Guerra Junqueiro em Viana do Castelo”, da autoria do Dr. António Pimenta de Castro, que apresentou também uma palestra sob este tema.

Esta iniciativa visou dar a conhecer alguns dos pormenores da vida deste grande escritor português e da sua passagem por Viana do Castelo, desconhecida por muitos. O escritor, nascido em Freixo de Espaço à Cinta, foi transferido para Viana do Castelo como Secretário-Geral do Governo Civil. Nesse mesmo ano, filiou-se no Partido Progressista, partido pelo qual foi efeito depois deputado. Regressou já casado a Viana do Castelo, onde viveu durante alguns anos e onde terá produzido parte da sua obra.

No livro “Guerra Junqueiro em Viana do Castelo” que foi apresentado pelo autor, lê-se: “Em Viana do Castelo, pelo contrário, encontrou o amor da sua vida, o equilíbrio financeiro, o calor de uma família, o tempo e as condições psíquicas e materiais para desenvolver o seu estro. Digamos que a sua vida em Viana não foi uma vida complicada, muito pelo contrário. Aqui, o Poeta não teve problemas de maior. A sua vida no Minho, pesou bastante, como vimos, na sua afectividade e na sua personalidade. Sem a estabilidade conseguida em Viana, teria sido, com certeza, muito diferente a sua obra. Foi no Minho, que verdadeiramente se realizou como homem e como poeta. Foi no tempo em que aqui viveu que, comprou a Quinta da Batoca e realizou outros sonhos seus. É por isso, extremamente importante, sabermos como decorreu esta fase da sua vida”.